"PORQUE EU SEI QUE O MEU REDENTOR VIVE"


segunda-feira, 16 de junho de 2014

A Medicina e a Bíblia

“Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios.
Ele é o que perdoa todas as tuas iniquidades, que sara todas as tuas enfermidades.”  – Salmo 103:2-3
 
A Palavra de Deus mostra-nos que, desde os primórdios, houve práticas de medicina e medicamentosas.


Jacó foi embalsamado por médicos (Génesis 50:1-3); Lucas é o único médico bíblico conhecido pelo nome, também designado como médico amado (Colossenses 4:14); Marcos fala de uma mulher que durante doze anos padeceu de uma hemorragia e que foi consultada por vários médicos (Marcos 5:25-29); e diversas outras passagens falam de médicos.
 
 
 
Certamente, foi a experimentação que levou os médicos a usarem produtos da Natureza e outros meios relatados nas Escrituras para tratarem enfermidades.
Por exemplo, o óleo (bálsamo) obtido de algumas plantas aplicado em feridas, tinha efeitos antissépticos e analgésicos (Isaías 1:6; Jeremias 8:22; 46:11; 51:8); também havia o uso de folhas para fins curativos (Ezequiel 47:12); faziam-se cataplasmas, na circunstância, com figos (II Reis 20:7; Isaías 38:21); o vinho era desinfectante e analgésico para feridas abertas (Lucas 10:34; Mateus 27:34); assim como o seu consumo moderado era recomendado como estimulante e, também, no tratamento de distúrbios gástricos (Provérbios 31:6; I Timóteo 5:23); talas e ligaduras eram usadas para traumatismos ósseos (Ezequiel 30:21).
 
Mas, além da existência do exercício médico e da utilização de meios curativos, também encontramos na Palavra de Deus princípios de higiene que resultavam em benefícios para a saúde.
Assim, foi exigido que os dejectos humanos fossem depositados em buracos feitos na terra e depois tapados (Deuteronómio 23:9-14), prevenindo as diarreias e as febres infecciosas; foram dadas leis sobre os animais comestíveis (eram proibidos os mais sujeitos a infecções parasitárias) e a contaminação dos alimentos e da água (Levítico 11); a prática sexual foi, também, objecto de regras devido à sua influência no sentido espiritual, físico (doenças sexualmente transmissíveis) e mental (Levítico 18); períodos de isolamento, ou recato, foram ditados para quem tivesse, ou se suspeitasse ter, uma doença contagiosa ou estivesse impuro (Levítico 13:1-59; 14:38, 46; Números 19).
 
E, curiosamente, podemos ver que Deus revela a conexão que existe entre as condições patológicas do corpo e o estado emocional do individuo (Provérbios 17:22), revelando que as emoções más são prejudiciais, enquanto as emoções boas promovem o bem-estar (Gálatas 5:19-23).
 
O Senhor nosso Deus é o Médico dos médicos!
 
“E servireis ao Senhor vosso Deus, e Ele abençoará o vosso pão e a vossa água; e eu tirarei do meio de vós as enfermidades.” Êxodo 23:25

1 comentário:

Anónimo disse...

Que lindo texto Mimi.......
Deus previu tudo e deu sabedoria ao homem para lidar e prevenir doencas com a higienizacao. Ainda há pessoas que dizem que Deus nos deixou de lado. Nós pecados, ofendemos a Ele e Ele ainda usa de misericórdia para conosco.
* Estava procurando o texto deste fim de semana e vi que nao havia comentado este.
bjs
Marisa